Crédito: Corpo de Bombeiros de São Paulo/Divulgação

Fonte: G1

Um acidente com um balão tripulado deixou feridos e mobilizou equipes dos bombeiros na manhã desta terça-feira (17), em Porto Feliz, no interior de São Paulo. O veículo saiu de Boituva e fez um pouso forçado às margens da Rodovia Castello Branco (SP-280), na altura do km 104.

Segundo o Corpo de Bombeiros, as nove pessoas que estavam no balão, sendo o piloto, um fotógrafo e sete passageiros, foram socorridas. Pelo menos duas delas tiveram ferimentos graves.

O piloto contou aos bombeiros que precisou fazer um pouso forçado na zona rural de Porto Feliz após ser surpreendido por uma rajada de vento.

De acordo com o diretor técnico da Confederação Brasileira de Balonismo, Ricardo Almeida, o piloto fez duas tentativas de pouso, e três pessoas chegaram a cair do cesto do balão durante a primeira descida.

Segundo o capitão Márcio de Lima Renó, do Corpo de Bombeiros, essas vítimas também acabaram sendo atropeladas pelo cesto do balão, que voltou a subir em seguida.

“Foram nove vítimas no total, três ficaram no primeiro local de pouso. Elas desceram e, como o balão subiu novamente, acabou atropelando essas pessoas que desceram. No segundo local teve o pouso definitivo e ficaram mais seis vítimas”, explica o capitão.

Conforme apurado pela TV TEM, sete pessoas foram levadas ao Hospital Municipal São Luiz, em Boituva, incluindo o piloto. Já as outras duas pessoas foram levadas à Santa Casa de Porto Feliz.

Há dois meses, um balão tripulado também precisou fazer um pouso forçado em Boituva. A Polícia Militar foi chamada na manhã de 2 de março pelo dono da fazenda onde foi registrada a ocorrência.

Ao chegar no local, os policiais constatam que os cinco ocupantes do balão não sofreram ferimentos. No entanto, houve uma discussão entre os proprietários da fazenda e a equipe de balonismo.

Em maio de 2021, outra ocorrência foi registrada por causa de rajadas de vento. Na ocasião, três balões se preparavam para voar, mas ainda estavam no chão quando aconteceu o incidente. Os balões foram jogados contra a rede elétrica.

Referência em atividades aéreos

Boituva, cidade de onde saiu o balão envolvido no acidente nesta terça-feira (17), fica a cerca de 120 quilômetros da capital paulista e é uma referência nacional em atividades aéreas, como o balonismo e paraquedismo.

Em março deste ano, foi realizada uma audiência pública para oficializar a cidade como a “Capital Nacional do Paraquedismo”. No mesmo dia, também foi concedido ao município o título de “Capital Nacional do Balonismo Turístico”, um reconhecimento inédito no Brasil, segundo a prefeitura.

Além das empresas de balonismo, Boituva abriga o Centro Nacional de Paraquedismo (CNP), um espaço com 99 mil metros quadrados que tem, atualmente, cerca de 20 escolas de paraquedismo em funcionamento.

No CNP, são realizados aproximadamente 20 mil saltos por mês e, segundo a Prefeitura de Boituva, é o local onde mais se salta de paraquedas no mundo, entre saltos turísticos e profissionais.

Histórico de acidentes

De acordo com a Associação de Paraquedistas de Boituva, os acidentes no CNP não são frequentes, considerando a quantidade de saltos que são realizados diariamente no local.

Apesar disso, nos últimos meses, o g1 noticiou outros dois acidentes envolvendo atividades aéreas em Boituva. No último dia 11, uma aeronave com 16 pessoas (um piloto e 15 paraquedistas) fez um pouso forçado na zona rural da cidade e dois atletas morreram.

Outras dez pessoas também ficaram feridas no acidente, que ocorreu depois de uma pane na aeronave. Segundo sobreviventes, o avião chegou a tocar o solo duas vezes e, na terceira vez, bateu em um barranco e capotou.

Já no dia 24 de abril, a sargento Bruna Ploner, do Exército Brasileiro, morreu depois de um salto com um paraquedas de alta performance em Boituva.

Paraquedistas ouvidos pelo g1 acreditam que o acidente foi causado por um possível erro técnico da atleta no momento do pouso, mas o caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui