Crédito: Divulgação/Ibama

Fonte: G1

Após ficarem mais de 10 horas combatendo o incêndio de grandes proporções que atingiu uma embarcação de grande porte em Guarujá, no litoral de São Paulo, os bombeiros retornaram ao local, na tarde desta quarta-feira (9), para fazer o rescaldo e evitar a reignição das chamas. A ação ocorre após o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ir ao local e identificar fumaça vinda do barco, acionando a corporação.

O fogo teve início na tarde desta terça-feira (8), em um antigo estaleiro, fora da área do Porto Organizado de Santos. Os bombeiros foram acionados por volta das 14h50. Dez viaturas e 25 bombeiros, com apoio de um caminhão autobomba da brigada de incêndio da Guarda Portuária e de um caminhão-pipa da Terracom, atuaram na ocorrência.

Crédito: Divulgação/Ibama

O barco atingido pelas chamas é reformado e possui 52 pés, cerca de 15,85 metros. De acordo com os bombeiros, o combate ao fogo se estendeu até por volta da 1h desta quarta-feira, quando o incêndio foi extinto. Equipes da perícia foram acionadas para avaliar a área da ocorrência e determinar a causa do início das chamas. Segundo o capitão Rodrigo Eulálio, o material que havia dentro da embarcação ainda é impreciso.

O Ibama retornou ao antigo estaleiro nesta quarta-feira e notou fumaça vinda do barco, acionando a corporação por volta das 11h novamente, que compareceu rapidamente ao local durante a tarde para o trabalho de rescaldo. De acordo com o Corpo de Bombeiros, apesar da fumaça, até o momento a embarcação não pegou fogo novamente.

De acordo com a agente federal Ana Angélica Alabarce, responsável pelo Ibama na região, está sendo lavrada uma notificação para a empresa que funciona atualmente no local, para informar qual será a destinação final de todo o resíduo gerado na ocorrência.

“Eu estive lá e notei um pouco de fumaça, e para prevenir uma reignição, acionei os bombeiros. Ali ainda tem muita madeira, porque o barco foi queimado praticamente pela metade, então, tem outra parte, e é preciso ter toda a segurança. Os bombeiros foram de imediato ao local e fazem o rescaldo para evitar qualquer risco. Ainda estamos avaliando o impacto ambiental que houve para definir demais sanções que poderemos tomar”, explica a agente federal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui