Crédito: NSWRFS

Fonte: G1

Austrália – Todos os incêndios na Nova Gales do Sul, o estado mais afetado pela onda de calor na Austrália, já estão controlados – anunciaram nesta quinta-feira (13) as autoridades, que agora enfrentam chuvas intensas.

As chuvas contribuíram para acabar com a crise dos incêndios que começou em setembro de 2019 e que matou 23 pessoas em todo país. Agora, porém, têm causado inundações.

“Nem todos os incêndios foram extintos. Temos alguns em atividade no sul do estado, mas estão todos controlados. Desta forma, podemos nos concentrar em ajudar as pessoas na reconstrução”, afirmou o chefe dos bombeiros de Nova Gales do Sul, Rob Rogers, em uma rede social.

A onda de incêndios arrasou mais de 10 milhões de hectares do leste e do sul da Austrália, matou milhões de animais e destruiu 2.500 casas.

A crise afetou grandes cidades, como Sydney, que esteve semanas envolta em fumaça. Em alguns lugares, o Exército precisou ser mobilizado para resgatar moradores.

Os incêndios foram deflagrados pela seca e agravados pela mudança climática, no ano mais quente e seco já registrado na Austrália.

Queimadas ocorrem todos os anos na Austrália, entre o final da primavera, no mês de novembro, e início do verão, no mês de dezembro. Porém, em 2019, os incêndios começaram antes do previsto, e foram mais violentos. A explicação está nas temperaturas que ultrapassam os 44º C.

É diferente dos fogos que ocorrem na Amazônia, que é uma floresta úmida e onde os incêndios com maiores proporções não têm origem natural – eles são provocados pela ação do homem e são ligados ao desmatamento causados por quem busca limpar a área derrubada para tomar posse de terras públicas.

Problema atual: inundações

Agora, a atenção está voltada para controlar as inundações, diante da previsão de mais chuva nos próximos dias.

Nesta quinta-feira (13), vários pântanos perto de Sydney transbordaram após chuvas torrenciais.

Leia mais: Bombeiro brasileiro relata o combate a incêndio na Austrália