Crédito: Reprodução/TV Globo

Belo Horizonte/MG – Minas Gerais está sendo atingido por fortes chuvas que trouxeram destruição para as cidades da região. De acordo com o balanço divulgado pela Defesa Estadual de Minas Gerais, desde o dia 24 de janeiro, 53 pessoas morreram por causa das chuvas no estado. Ainda segundo o órgão, há 38.703 pessoas desalojadas e outras 8.157 desabrigadas. Até o momento, 101 municípios decretaram Situação de Emergência e 65 pessoas ficaram feridas.

Conforme o coronel Sérgio José Ferreira, Comandante Operacional do 1º Comando Operacional de Bombeiros de Minas Gerais, a corporação mineira já havia se planejado para realizar atendimentos à população, pois estavam prevendo um grande volume de chuva. “Nós reforçamos com equipes do setor administrativo, reduzimos as folgas das equipes do plantão, reforçamos também materiais próprios, como barcos, cordas, coletes, material de resgate pesado, enfim, uma série de itens que permitiu socorrer a população mineira, principalmente da região metropolitana”, enfatiza. O coronel Ferreira destaca que, entre os dias 24 e 26 de janeiro, a corporação mobilizou cerca de 950 bombeiros, com 300 viaturas no âmbito do estado todo. “Foi uma mobilização muito grande para os nossos padrões”, ressalta.

Segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), o mês de janeiro de 2020, está sendo o mais chuvoso da história de Belo Horizonte/MG, desde o início das medições climatológicas há 110 anos. Até o dia 29 de janeiro, houve o acumulo de 932,3 milímetros de chuva na cidade, de acordo com o Inmet. O recorde anterior era de janeiro do ano de 1985, quando o acumulado do mês foi de 850,3 milímetros. Este período chuvoso do estado deve seguir até o mês de março. De conforme o coronel Ferreira, os modelos climatológicos indicam que a região metropolitana de Belo Horizonte, deverá ter mais um quantitativo significativo de chuvas na primeira semana de fevereiro.

ATENDIMENTOS
Devido às chuvas, as equipes do CBMMG estão atendendo diferentes ocorrências no Estado. Conforme relatado pelo coronel Ferreira, os profissionais estão salvando pessoas vivas soterradas, parcial ou totalmente, além disto, estão atendendo chamados para vistorias em locais com risco de desabamento, problemas com árvores caídas em vias públicas e em áreas de instabilidade do solo. “Neste período também tivemos muitos casos de inundações, enchentes, extravasamentos de cursos d’água, e outras ocorrências deste tipo, próprias da elevação do nível da água”, ressalta.

CUIDADOS
Com a previsão de mais chuvas para o estado de Minas Gerais, o coronel Ferreira salienta alguns cuidados que a comunidade deve tomar. “A prioridade de cada cidadão é a auto proteção. Além disto, precisam observar o terreno onde ele mora ou onde ele transita. Se verificar que há escorregamento de encosta, inclinação de árvore, placas de sinalização desaprumadas, rachaduras no teto, nas paredes ou no solo da casa, a pessoa precisa ficar alerta a estes sinais, solicitar uma vistoria do corpo de bombeiros ou da defesa civil municipal, e assim se preparar, talvez saindo do local ou reforçando as estruturas a partir de um serviço de engenharia”, reforça o coronel Ferreira.

Leia mais
Chuvas causam mortes e estragos nos estados do Sudeste