Data: 22/02/2010 / Fonte: Jornal de Barretos

Barretos/SP – O Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo completa no dia 22 de fevereiro, 20 anos de implantação do serviço de resgate, que teve como base o modelo americano. Em Barretos, a corporação também comemora a data, trabalhando. A atividade começou em 20 de fevereiro de 1990, quando o sistema foi oferecido à população da cidade de São Paulo e mais 14 municípios do interior e grande São Paulo.

Para que o bombeiro faça parte da equipe de resgate é preciso passar por curso de 45 dias, focando a parte de resgate e emergências médicas. “Ele terá noção de anatomia, noções em áreas que possa estar encontrando no dia a dia”, fala o sargento Chagas, do Corpo de Bombeiros local.

O serviço consiste, depois de chamado via telefone, de uma viatura com equipamentos especiais e uma equipe mínima de três homens. “A viatura chega ao local e faz o trabalho de estabilização, lembrando que em cidades maiores, o serviço de resgate conta com apoio de aeronaves, no caso helicóptero, e médicos. Barretos por ser uma cidade menor não precisa, mas o bombeiro chega ao local e faz a estabilização, aqui os casos mais comuns são acidentes de trânsito com vítima. Fazemos uma triagem, a sinalização do local, enfim há toda uma série de atividades que compõem esse sistema de atendimento que é seguida através de um protocolo”, explica o sargento Chagas.

A viatura utilizada no resgate possui vários equipamentos, dentre eles um oxímetro de pulso, dispositivo médico que mede indiretamente a quantidade de oxigênio no sangue de um paciente, servindo como parâmetro para o monitoramento da vítima. O veículo também possui um kit parto, um desfibrilador – para paradas respiratórias; entre outros para uso em caso de trauma grave, queimaduras, para desencarceramento em ferragens e de proteção para incêndio. “No caso de incêndio, o caminhão vai, mas se houver vítimas quem entra é a equipe de resgate”, explica o sargento, que em 20 anos de Bombeiros já realizou três partos.

O bombeiro lembra ainda que nestes anos todos, uma ocorrência inusitada foi uma chamada para comparecer ao cemitério, no qual os familiares acreditaram que o ente querido estaria vivo após horas de falecimento. “Provamos por meio de alguns exames e toques que a pessoa estava realmente morta”, recorda.

Atualmente, o efetivo do Corpo de Bombeiros de Barretos trabalha com 24 homens e um comandante, para atendimento também em Colina, Jaborandi, Guaíra e Miquelopolis.

O sistema de resgate em todo estado de São Paulo conta com 264 viaturas e aproximadamente 800 homens. “Não dá mais para ficar sem a unidade de resgate, pois a população já acostumou”, ressalta o sargento Chagas.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui