Crédito: Carla Cleto

Fonte: G1

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) informou que, de 290 mil ligações recebidas pela Central de Maceió no ano passado, mais de 100 mil eram trotes.

Áudios divulgados pelo órgão mostram as ligações recebidas. Em um deles, uma mulher tentou se passar por médica.

“Quem está falando aqui é a doutora Maria Aparecida. É que aqui tem uma mulher quase morrendo”, diz o áudio.

O levantamento do órgão mostra que, de cada 100 ligações para o Samu, 40 foram falsas. Uma prática que prejudica o atendimento a quem realmente precisa de socorro.

“As pessoas levam como sendo uma brincadeira, mas acabam penalizando muito as pessoas que realmente precisam do serviço”, disse o médico socorrista Marcos Viana.

O Corpo de Bombeiros, que também recebe esse tipo de ligação, desenvolveu um sistema para localizar quem passou o trote.

“Nós sabemos de onde ela vem, temos como identificar o número de onde está ligando e temos como identificar o local de onde está partindo essa ligação. Nós temos dois artigos no código penal que o autor do trote pode ser enquadrado e temos uma lei estadual que estabelece multa”, informou o major Ricardo Lopes.