Crédito: CBMBA

Fonte: CBMBA*

A pandemia do Sars-CoV-2 (Corona Vírus) surpreendeu o mundo com um vírus com consequências fatais. Vírus desconhecido que colocou o mundo científico numa corrida contra o tempo, em busca de uma solução para combatê-lo e, a população mundial em alerta, amedrontada diante da possibilidade de contaminação e do número de mortes. Sem remédio e sem vacina, tivemos que aprender a lidar com essa nova realidade.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) definiu que a maneira mais segura de evitar a contaminação é a prevenção, reforçando os métodos de higiene pessoal, o uso de máscara e o distanciamento social, quebrando a cadeia de contaminação.

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fio Cruz), o distanciamento social, consiste em um esforço consciente para reduzir o contato e aumentar a distância física entre as pessoas, a fim de diminuir a velocidade do contágio. Contudo, medidas de distanciamento social podem impactar na saúde mental das pessoas, causando estresse, transtornos de ansiedade, insônia, crises de agressividade, abuso de substancias psicoativas, dentre outros sintomas, em todos os âmbitos da sociedade, inclusive no âmbito profissional.
 
O Corpo de Bombeiros Militar é uma instituição que tem como missão preservar a vida, o patrimônio e o meio ambiente. Seus profissionais, muitas vezes, estão expostos a situações de alto estresse, onde suas vidas são colocadas em risco em benefício do outro. Esse fator pode trazer um sofrimento para os militares. Tendo o ato de salvar vidas como lema, pode perceber-se como potencial vitima o que traria a tona o sentimento de impotência, exigindo do profissional o controle emocional maior para administrar esse sentimento e preservar a sua saúde mental.

Importante entender que como sujeitos individuais as reações podem ser diversas, e que a ansiedade é uma resposta natural do organismo para qualquer acontecimento inesperado, porém passa a ser um transtorno quando atinge níveis que afetam a nossa rotina e deve ser tratada com o suporte psicológico e/ou psiquiátrico.

O militar pode apresentar sintomas diretamente ligados ao distanciamento social, como: solidão, desesperança, angústia, exaustão, irritabilidade, tédio, raiva e sensação de abandono.

Observa-se também, maior probabilidade de ocorrência de distúrbios do sono, abuso de substâncias psicoativas e ideação suicida, bem como agravamento de transtornos mentais preexistentes.

Como sugestão, seguem abaixo, estratégias de auto cuidado que podem evitar ou amenizar esses sintomas, são possibilidades, e devem ser adaptadas a cada realidade, pois o mundo passa por uma pandemia. Todo e qualquer problema só pode ser administrado a partir do seu reconhecimento na saúde mental e na vida.

Aproveitar a oportunidade para ter um olhar mais sensível para si e para o outro observando como a situação está atuando nos contextos pessoais e social.
 
Esse é um bom momento para exercer a criatividade, ler um livro, assistir um bom filme, fazer atividades que te trazem prazer e que antes não tinha tempo, usar esse ócio para exercer ou descobrir novas habilidades;
 
A solidão é um sentimento natural do isolamento, isso pode ser amenizado com o uso da tecnologia, as redes sócias são excelentes nesse contexto use-as para diminuir a distancias das pessoas que te fazem bem.
 
O medo é outro sentimento que é natural nesse momento, reconheça isso e elabore tática para evitar que ele seja paralisante; os exercícios de respiração são uma ótima opção nesse caso.
 
Tente incluir dentro do possível uma atividade física na sua rotina, a endorfina liberada é considerado um ansiolítico natural, além de aliviar atenção e o estresse aumentando a energia física e mental.
 
O excesso de informações pode disparar gatilhos, aumentar a angustia e o sentimento de impotência. Se esse for o seu caso e for possível evite.
 
É importante entender que não existem regras cada processo é individual na hora de encontrar a maneira mais confortável de passar por esse momento difícil. Para alguns pode ser se mobilizar, para outros pode ser não fazer nada, e não existe problema algum nisso. Às vezes desligar um pouco é justamente o que você precisa para proteger sua saúde mental. Aprenda a reconhecer e respeitar seus limites.
 
Por fim entenda que às vezes é preciso pedir um auxilio profissional, os profissionais de saúde mental podem ajudar muito nesse processo não tenha receios procure ajuda especializada, se achar necessário.
 
*Escrito por Psicóloga SGT BM Valéria Tatiane Glória dos Santos

VEJA TAMBÉM

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui