Crédito: TV Globo/Reprodução

Fonte: G1

As ruas do Recife e Região Metropolitana são tomadas, diariamente, por um barulho cada vez mais presente desde o início da pandemia do novo coronavírus: a sirene das ambulâncias. Segundo o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), o atendimento médico de três a cinco pessoas, por dia, com problemas respiratórios, passou para cerca de 50 no mês de abril. Em maio, a média de atendimentos de pessoas com sintomas da Covid-19 chegou a 160 por dia.

De acordo com condutor socorrista Silvio Campos Junior, cada segundo é importante. “Quando ligamos o som da ambulância, a sirene, a vontade é de chegar logo para cuidar do paciente e levar para o hospital”, contou.

O médico infectologista Demétrius Montenegro comparou o momento a uma guerra silenciosa. “Uma guerra em que não se escuta som de bombas, mas sim sons de sirene. As pessoas deveriam parar para escutar esse som. Isso talvez sensibilize para ficarem em casa e manter o isolamento social”, disse.

O estudante Lucas Moraes contou sobre o aperto no peito que sente ao se deparar com a passagem de uma ambulância. “Penso no desespero, que deve estar acontecendo algo ali [na ambulância]. Dá uma aflição. A pessoa fica preocupada com o próximo. É angustiante”, disse.

O mecânico José Robson é vizinho de uma policlínica do Recife. Os dias estão mais barulhentos nos últimos meses. As ambulâncias passam com frequência em frente à casa dele.

“Acredito que depois que a pandemia passar, essa sirene não vai sair da minha mente. Não é um trauma, mas vou ficar sempre pensando naquelas pessoas que foram e não sei se voltaram”, disse.

Cumprimento da quarentena

A porcentagem média de pessoas que cumpriram o isolamento social mais rígido determinado pelo governo do estado caiu na terça-feira (19), em comparação com a segunda-feira (18), em Pernambuco e na capital. De 49,8%, o estado foi para 48,8%, enquanto Recife foi de 55,5% para 54,1%.

Os dados foram registrados por meio de um georreferenciamento feito pela empresa de tecnologia In Loco e foram divulgados pelo governo estadual nesta quarta-feira (20).

No estado, as outras cidades em quarentena também apresentaram diminuição nos índices, em comparação a segunda (18): São Lourenço da Mata (de 51,8% para 50,4%), Olinda (de 55,4% para 54%), Camaragibe (de 52,5% para 50,6%) e Jaboatão dos Guararapes (de 52,2% para 51,2%).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui