E-emergency/Reprodução
Data: 04/01/2020 / Fonte: G1

João Pessoa/PB – Para otimizar o trabalho do Atendimento de Urgência e Emergência (Samu), um programador da Paraíba criou um aplicativo para acionar e rastrear ambulâncias. O “E-mergency”, criado por Luciano de Oliveira Barbosa, de 32 anos, permite que seja feita uma triagem do problema do usuário, assim como é feito no teleatendimento.

A finalidade da ferramenta é aprimorar a gestão de distâncias e destinos em todas as etapas do serviço para otimizar os processos de regulação de situações de urgência e emergência.

O aplicativo foi desenvolvido através do trabalhado realizado pelo Samu em Campina Grande, mas a intenção é que ele possa ser utilizado em todo o Brasil. Com base nas necessidades de determinadas gestões, ele também pode se adequar a uma realidade específica.

O trabalho foi criado através de uma pesquisa feita pelo programador enquanto mestrando do Núcleo de Tecnologias Estratégicas em Saúde (NUTES) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Outras quatro pessoa ajudaram a desenvolver o app. Entre elas estão o orientador do projeto, o professor José Augusto de Oliveira Neto; a engenheira química, Nahanni Taynah Jácome Rodrigues e os estudantes Fábio de Souza Pequeno Júnior e Paulo César Oliveira Brito.

“Como hoje em dia as soluções das Tecnologias da Informação e Comunicação, as famosas TICs, otimizam serviços na área de alimentação e locomoção, por que não termos uma solução que vise dar mais transparência, eficiência e equidade para um setor tão importante para a população que são os serviços de urgência?’’

O aplicativo ainda não está disponível para download. Mas quando estiver, poderá ser baixado de forma gratuita. Inicialmente, ele foi desenvolvido na plataforma Android, mas deve ser expandido para outros sistemas operacionais.

“A intenção é que ele seja disponibilizado de graça para toda a população. Um serviço complementar ao 192, ter mais uma opção para solicitar o Samu”, pontuou Luciano.

App possibilita que solicitação, triagem e ficha do atendimento sejam feitos na internet
Para usar o aplicativo, o usuário precisa fazer o download dele em um celular que esteja conectado à internet. Com a ferramenta baixada, ele deve fazer um cadastro com dados pessoais, que ficarão disponíveis para acesso do Samu.

Para solicitar o atendimento de urgência, o paciente deve clicar na categoria que mais se enquadra no estado de saúde atual. Ele pode optar por situações como mordida de animal, queda, acidente de trânsito, ferimento com faca ou armas de fogo, ataque cardíaco ou outros tipos de acidentes.

Após o procedimento, o aplicativo dispara um chamado para a central de regulação do Samu, onde a equipe avaliará a solicitação e enviará o veículo mais adequado para o socorro. Quando a solicitação for aceita, o usuário poderá ver a localização da ambulância em tempo real.

A equipe de atendimento também poderá preencher a ficha de atendimento pré-hospitalar no próprio “E-mergency”, que será encaminhada para onde o paciente será encaminhado. Os socorristas também poderão solicitar um leito disponível.

Os hospitais também terão uma plataforma para lançar os leitos disponíveis para pacientes e receber os dados deles. Como a ferramenta está em fase de finalização, Luciano estuda a possibilidade de acrescentar a possibilidade de que os usuários possam avaliar o serviço.

Samu demora mais do que o tempo recomendado para atender casos graves em João Pessoa
Entre janeiro e junho de 2019, o tempo médio de espera do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para pacientes graves foi maior do que o recomendado em cinco capitais brasileiras. Segundo um levantamento da TV Globo via Lei de Acesso à Informação (LAI), o período atingiu a marca de 38 minutos na capital paraibana.

De acordo com a Associação Brasileira de Resgate e Salvamento, o tempo ideal deveria ser de até 10 minutos. De acordo com o levantamento feito pela TV Globo, uma mulher chamou o serviço em trabalho de parto, mas acabou tendo o bebê no sofá de casa por causa da demora no atendimento, em João Pessoa.

O Samu foi adotado em 2004 para tentar atender pacientes de forma mais eficiente e rápida, sem deixar sequelas e causar mortes desnecessárias. O serviço passou a ser expandido e, atualmente, está presente em 3,6 mil municípios, com uma cobertura de 83% da população.

Para a TV Globo, a assessoria de imprensa da Prefeitura de João Pessoa informou que recebeu 9 ambulâncias e que está melhorando o atendimento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui