Data: 08/12/2017 / Fonte: Governo de São Paulo

São Paulo/SP – A proximidade do período de chuvas reforça a preocupação com os desastres naturais. E para minimizar os riscos é fundamental avaliar as estratégias e as ações de redução de risco e desastres desenvolvidas nos diferentes níveis governamentais durante o ano de 2017. Para isso, o Instituto Geológico (IG), órgão da Secretaria do Meio Ambiente (SMA), e a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (CEDEC), da Casa Militar, promoveram o IX Seminário Estratégias para Redução de Riscos e Desastres a Eventos Geodinâmicos no Estado de São Paulo, em 7 de dezembro, na sede da SMA.

Na abertura do evento, o secretário Maurício Brusadin destacou que as mudanças climáticas estão presentes e que as ações integradas são fundamentais para a gestão dos problemas. “Não dá mais pra pensar em política pública sem integração com outras instituições”, ressaltou. Ele citou como exemplo a articulação da Operação Corta Fogo, que foi essencial para combater os focos de incêndio durante esse ano, já considerado o de maior calor da história, com mais de seis mil focos.

A diretora do Instituto Geológico Luciana Martin Rodrigues Ferreira disse que o evento consolida as ações do IG, com apresentação de resultados de pesquisas, além de trazer para o debate as relações da gestão de risco de desastres com as mudanças climáticas e o impacto dos desastres na sociedade e na área da saúde, uma novidade no evento.

Reforçando a importância das parcerias, houve a renovação do Termo de Cooperação Técnica entre Secretaria do Meio Ambiente (Instituto Geológico) e Casa Militar (Coordenadoria Estadual de Defesa Civil), assinadas pelo secretário Maurício Brusadin, Luciana Martim Ferreira, pelo IG, e pelo diretor do Departamento de Defesa Civil Tenente Coronel PM Anderson Lima de Oliveira, pela Defesa Civil.

Ainda sobre as parcerias, o tenente Coronel destacou que o trabalho está evoluindo graças à participação de todos. “As pesquisas e o monitoramento subsidiam as ações para as operações de gestão de riscos e o enfrentamento de desastres”.

O seminário contou ainda com os lançamentos de publicações como o Cadastro georreferenciado de eventos geodinâmicos de 50 municípios das regiões metropolitanas de São Paulo, Baixada Santista e Litoral Norte; do Sistema de Classificação Territorial do Estado de São Paulo (UTB-SP) e do Mapa de Riscos de Unidades Residencias-Comerciais-Serviços a Escorregamentos e Inundações do Estado de São Paulo. Além de informar sobre a criação e regulamentação do Plano de Contingência para a Serra do Mar na região do Polo Industrial de Cubatão.

Na pauta, palestras sobre gestão de desastres, Programa Vigidesastres e a redução do impacto dos desastres sobre saúde pública e o Programa Município VerdeAzul, com os indicadores e ações para a gestão de risco de desastres. As perdas econômicas relacionadas às inundações em Santa Catarina e o potencial climático para proliferação do mosquito Aedes Aegypti também fizeram parte da programação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui