Crédito: Celso Buzatti

Especialistas destacam a necessidade de reforçar a cultura de prevenção e os incentivos e benefícios para ampliar os Planos de Auxílio Mútuo no país

Por Paula Barcellos/Editora e Jornalista da Revista Emergência

Desde a fundação do primeiro PAM (Plano de Auxílio Mútuo) no Brasil, em março de 1978, localizado no Polo Industrial de Cubatão/SP, estes organismos acabaram surgindo em diversos lugares do país, em especial em polos industriais de alto risco. No entanto, muitos especialistas e coordenadores dos PAMs ou RINEMs (Rede Integrada de Emergências) acreditam que existe um campo muito maior para a implantação destes grupos de ajuda mútua pelo Brasil.

“A quantidade de PAMs e RINEMs considero muito pequena, tendo em vista o potencial empresarial de nosso país. Particularmente, acho que sempre que tiver mais de três empresas próximas deveria existir um grupo de ajuda mútua, afinal nas emergências ninguém tem os recursos suficientes de forma isolada. Tenho conhecimento de 55 grupos de ajuda mútua no Brasil, sendo que, destes, 29 estão no estado de São Paulo”, diz João Carlos Hermenegildo, o Chuca, ex-coordenador do PAM do Grande ABC, presidente da Associação dos Especialistas em Controle de Emergência do Brasil (Dinos Group), consultor da Ambipar e especialista na área.

Confira a reportagem completa na edição de novembro/janeiro da Revista Emergência.