Beto Soares/Estúdio Boom
Data: 20/05/2019 / Fonte: Francisco Luiz Telles de Macêdo

A sociedade brasileira tem acompanhado, com profunda tristeza e preocupação, o noticiário recente acerca de trágicos acontecimentos que resultaram em centenas de vítimas, muitas delas fatais, além de gravíssimos danos ao meio ambiente, à atividade econômica e à própria existência de inúmeras comunidades.

A ocorrência destes sucessivos desastres torna-se ainda mais lamentável porque eles poderiam ter sido evitados – ou no mínimo bastante atenuados – se as regras e os procedimentos de segurança tivessem sido levados a sério pelas empresas e pelos profissionais responsáveis em cada caso. Não se pode abrir mão do estrito cumprimento das normas que têm sido desenvolvidas e implantadas ao longo de décadas de experiência e conhecimento técnico. Não se pode de modo algum flexibilizar o rigor da fiscalização para favorecer interesses que colocam em risco a vida dos cidadãos. Nem sempre simplificações normativas trazem os benefícios almejados.

Confira o artigo completo na edição de maio da Revista Emergência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui