Crédito: Arquivo IPT

Análises comparativas entre televisores comercializados no Brasil e nos Estados Unidos apontam para sério risco de incêndio nos equipamentos brasileiros

Considerando os maus resultados apresentados pelos televisores brasileiros avaliados em estudo realizado pelo SwRI (Southwest Research Institute), conforme reportado no trabalho denominado Combustion Characteristics of Flat Panel Televisions With and Without Fire Retardants in the Casing, o IPT buscou ampliar, com apoio da Abichama (Associação Brasileira da Indústria dos Retardantes de Chama), a avaliação dos televisores brasileiros de modo a levantar dados comparativos que possam ser empregados para definir critérios de avaliação de desempenho relativos ao controle do risco de incêndio dos televisores comercializados no Brasil.

Os requisitos técnicos definidos nas normas ABNT NBR IEC 60065:2009 – Aparelhos de áudio, vídeo e aparelhos eletrônicos similares – Requisitos de segurança, que se destina a prevenir ferimentos e danos aos usuários devido aos seguintes riscos: choque elétrico, temperaturas excessivas, radiação, implosão, riscos mecânicos e fogo, e os métodos de ensaio de ignitabilidade IEC 60695 – Fire hazard testing, foram tomados como referência e complementados com uma avaliação de calorimetria dinâmica, na qual os televisores considerados no estudo foram submetidos a ensaios equivalentes à simulação de incêndio real.


Dados dos autores:

Antonio Fernando Berto – Engenheiro Civil pela USP de São Carlos/SP; mestre em Arquitetura e Urbanismo pela USP; pesquisador e chefe do Laboratório de Segurança ao Fogo e a Explosões – LSFEx – do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas); docente no curso de Mestrado Profissional do IPT na disciplina Segurança Contra Incêndio no Ambiente Construído; coordenador das  Comissões de Estudos de Reação ao Fogo dos  Materiais e de Vedações Corta-fogo do CB 24 (Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio) da ABNT.
[email protected]

Ivan Faccinetto Böttger – Engenheiro de Produção Eletricista pela FEI; pós-graduado em Administração para Engenheiros e Engenharia de Segurança do Trabalho pela FEI; mestre em Habitação pelo IPT; pesquisador no Laboratório de Segurança ao Fogo e a Explosões – LSFEx do IPT; docente no curso de Mestrado Profissional do IPT na disciplina Segurança Contra Incêndio no Ambiente Construído e no curso de Engenharia de Segurança do Trabalho da UNIP na disciplina Proteção contra Incêndio e Explosão.
[email protected]


Confira o artigo completo na edição de novembro/janeiro da Revista Emergência.