Crédito: FERNANDO FRAZÃO/AGÊNCIA BRASIL

O emprego da metodologia Kaizen nos simulados operacionais traz melhorias para os órgãos envolvidos na gestão de riscos e desastres

As chuvas fortes que ocorrem anualmente no ERJ (Estado do Rio de Janeiro), principalmente entre os meses de novembro a março, que de acordo com B. S. Sobral et al., compreende o período de maior índice pluviométrico no estado fluminense,  suscita na SEDEC (Secretaria de Estado de Defesa Civil) do ERJ, ações que antecedem tais fenômenos atmosféricos capazes de causar desastres com magnitudes extraordinárias, como o ocorrido na região serrana em 2011, que provocou mais de 900 óbitos e milhares de desabrigados, lembra G. R. de Oliveira Filho.

Neste sentido, a fim de consolidar ações de prevenção, preparação, mitigação e resposta previstas na PNPDEC (Política Nacional de Proteção e Defesa Civil), Lei 12608/2012, em seu Art. 4°, e no Art. 5° da PEPDEC (Política Estadual de Proteção e Defesa Civil), instituída pelo Decreto n° 46.935 de 12 de janeiro de 2020  e identificar os pontos fortes e fracos em uma operação de Defesa Civil, a SEDEC, realizou-se nos dias 13, 14 e 15 de dezembro de 2020, o Simulado Kaizen, exercício de mesa, Simulado de Operacionalização do Sistema Estadual de Proteção e Defesa Civil para Chuvas Intensas 2020/2021.

O simulado Kaizen, nome escolhido pelos organizadores do exercício, foi inspirado na Metodologia Kaizen, de origem japonesa, que é conhecida por se concentrar nos esforços de melhoria contínua, onde todos os envolvidos buscam como objetivo central eliminar desperdícios ao desempenhar suas atribuições, explicam Cesar Augusto Campos de Araujo e Antonio Freitas Rentes. Para Vinícius Veloso de Melo, Evento Kaizen é o termo utilizado para uma equipe de trabalho reunida por um breve período para buscar soluções eficazes de um dado problema.


Dados dos autores:

Alexandre Silveira de Souza – Coronel BM – SUOP (Superintendente Operacional) da Secretaria Estadual de Defesa Civil – SEDEC/RJ

[email protected]

Rodrigo Werner da Silva – Tenente-Coronel BM, diretor do Instituto Científico e Tecnológico de Defesa Civil – ICTDEC/SEDEC/RJ e Doutor em Engenharia de Defesa

[email protected]

Samir Batista Fernandes – Major BM do Centro de Estudos e Pesquisas em Defesa Civil – CEPEDEC/SEDEC/RJ e Pós-Graduado em Defesa Civil

[email protected]

Marcos Paulo Dias da Silva – Subtenente BM do CEPEDEC/RJ e Engenheiro Ambiental e Sanitarista

[email protected]

Leandro de Souza Camargo – 3º°Sargento BM do Centro de Estudos e Pesquisas em Defesa Civil – CEPEDEC/SEDEC/RJ e Engenheiro Cartógrafo

[email protected]

Confira o artigo completo na edição de maio/julho da Revista Emergência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui