4 aspectos essenciais da RM em tempos de Pandemia

A Regulação Médica das Urgências é a instância institucional que faz o ordenamento da rede de atenção das urgências de um município, de uma regional e/ou mesmo de um Estado. Cabe a ela a decisão do melhor fluxo e encaminhamento dos pacientes que necessitam de assistência naquele momento. Sendo que o objetivo final é que o paciente seja atendido segundo os princípios do SUS, principalmente no princípio da equidade.

Embora o objeto da Regulação Médica das Urgências seja o paciente, existem outras responsabilidades inerentes desta atividade, como a condução e acompanhamento da equipe de atendimento, seja de suporte básico de vida, suporte avançado de vida ou de qualquer outra equipe que esteja sob sua gestão. E neste momento de pandemia, vale ressaltar 4 aspectos essenciais:

  • Primeiro aspecto: a Regulação Médica das Urgências, através de sua equipe, seja Médico, Radio Operador, Tarms ou Enfermeiro de apoio da Regulação, devem obrigatoriamente informar a equipe de atendimento do SBV ou SAV, que o atendimento se trata de um caso suspeito o confirmado de Covid 19. Para que a equipe se prepare com EPI’s e equipamentos apropriados para este caso.
  • Segundo aspecto: o acompanhamento desta equipe de atendimento deve ser rigorosa, oferecendo todos os respaldos necessários para ela. Sejam do ponto de vista de tomada de decisão, bem como qualquer demanda de apoio logístico e apoio de outras equipes, principalmente do Suporte avançado de vida, quando for necessário.
  • Terceiro aspecto: as equipes da rede de atenção às urgências, sejam a nível pré-hospitalar fixo, como hospitalar, devem ser informados de que a equipe de aph estará chegando com um paciente suspeito ou confirmado covid 19, para que estas equipes se preparem para o adequado recebimento do paciente, organizando o leito/recursos e a própria equipe com seus devidos EPI’s.
  • Quarto aspecto: para finalizar, certificar que a equipe que realizou o atendimento esteja devidamente paramentados para que se realize a limpeza terminal ou concorrente e que no final, os recursos humanos, materiais e equipamentos e ambulância estejam devidamente prontos para um novo atendimento. É saudável que a equipe seja orientada para realizar um debriffing do atendimento, principalmente para checar que todas as medidas de segurança foram realizadas.

Certamente que os serviços de aph e a central de regulação das urgências,  já estejam habituados a conviver com situações adversas, mas num momento atípico como este, cada região e cada serviço deve moldar e adaptar se em sua realidade local para a melhor condução do momento em que vivemos.

Para enriquecer este blog, conto com você, continue participando e envie dúvidas e sugestões. E faremos um saudável debate. Um forte abraço.


O blog Regulação Médica de A a Z trata das grandes dúvidas sobre regulação médica das Centrais de Regulação de Urgência, que permeiam os Médicos Reguladores no dia a dia. Para tomada de decisões mais adequadas. O autor do blog é Antonio Onimaru, Médico com Residência Médica em Urgência e Emergência pela FAMEMA e Universidade de Grenoble – FR; Médico do Sistema Resgate – GRAU – SP; Coordenador Médico do Samu Regional Assis – SP.
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui