ARTIGO
Avaliação do atendimento

AUTORAS:
Ana Cláudia de Assis Vrkoslav e Valéria Cristina dos Santos Carvalho

FOTO:
Arquivo SAMU Centro Sul

Estudo avalia o grau de satisfação dos acompanhantes das vítimas frente à qualidade da assistência prestada pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência

REFERÊNCIAS
1. Travassos C, Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20 supl. 2, p. S190-S198, 2004.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Rede de atenção às urgências e emergências: saúde toda hora. Brasília [acesso 10 abr 2015]. Disponível em: http://dab.saude.gov/portaldab/smp_ras.php?conteudo.

3. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 1.863 de 29 de Setembro de 2003. Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília; 2003.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº. 1.600 de 07 de Julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília; 2011.

5. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº. 2.657 de 16 de dezembro de 2004. Estabelece as atribuições das centrais de regulação médica de urgências e o dimensionamento técnico para a estruturação e operacionalização das Centrais SAMU-192. Brasília; 2004.

6. Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº. 1010 de 21 de maio de 2012.Redefine as diretrizes para a implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e sua Central de Regulação das Urgências, componente da Rede de Atenção às Urgências. Brasília; 2012.

7. Rodriguez FJM. Guias práticos de enfermagem em emergências. Rio de Janeiro: McGraw Hill; 2000.

8. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM no 1451, de 10 de março de 1995. Define os conceitos de urgência e emergência e equipe médica e equipamentos para os prontos-socorros. Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília; 17 mar. 1995. Seção 1, p. 3.

9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Regulação médica das urgências. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2006.

10. Michaelis. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 2002.

11. Ferrari D. História da ambulância. Revista Intensiva. 2006; 4:132.

12. Lopes SLB; Fernandes RJ. Uma breve revisão do atendimento médico pré-hospitalar. Medicina, Ribeirão Preto, 32: 381-387, out/dez. 1999.

13. Fernandes RJ. Caracterização da atenção pré-hospitalar móvel da Secretaria da Saúde do município de Ribeirão Preto – SP [dissertação de mestrado]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2004.

14. Silva EAC, Tipple AFV, Souza JT, Brasil VV. Aspectos históricos da implantação de um serviço de atendimento pré-hospitalar. Rev. Eletr. Enf. 2010;12(3):571-7. [acesso 10 abr 2015]. Disponível em: http://www.revistas.ufmg.br/index.php/fen/article/viewFile/10555/7879.

15. Martinez-Almoyna M, Nitschke CAS. Regulação médica dos serviços de atendimento médico de urgência – SAMU. Florianópolis: Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina; 1999 [acesso 12 abr 2015]. Disponível em:
http://www.saude.sc.gov.br/geral/orgaos_vinculados/samu/Manual de Regulação Médica de Urgência.pdf.

16. Projeto Resgate. [acesso 02 maio 2015]. Disponível em: http://www.bombeirosemergencia.com.br/projetoresgate.html.

17. Ferreira ABH. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. São Paulo: Novas Didáticas; 2006.

18. Rauter R. Os novos caminhos da qualidade: sua importância para o alcance da competitividade. Temas em Debate 1992; 4: 20-9. 

19. Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. [acesso 24 maio 2015]. Disponível em: http://ftp.conass.org.br/pdf/relatorio_final_pesquisa_satisfacao.pdf.

20. Civap Saúde / Projeto. Serviço de atendimento móvel de urgência – SAMU. [acesso 02 maio 2015]. Disponível em: http://www.civap.com.br/saude/projeto/10/servico-de-atendimento-movel-de-urgencia-samu.

21. Karsch UM. Idosos dependentes: famílias e cuidadores. CadSaude Publica 2003; 19(3):861-866.

22. Dall’Agnol CM, Lima MADS, Ramos DD. Fatores que interferem no acesso de usuários a um ambulatório básico de saúde. RevEletr Enf. 2009;11(3):674-80

23. Pavelqueires S. Educação continuada de enfermeiros no atendimento inicial à vítimas de traumatismos. Ribeirão Preto, 1997a. 149p. Dissertação (Mestrado) -Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

24.Cenci DC, Lucena AF. Análise dos atendimentos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU 192 – de Porto Alegre / RS. In: Mancia JR, Unicowski MAR, organizadores. O trabalho de enfermagem em pronto socorro: um fazer em discussão. Porto Alegre: ABEn; 2010. p. 34- 59. UFRGS – Porto Alegre (RS), Brasil.

25.Ciconet RM. Atuação e articulação das ações das equipes de suporte básico de um serviço de atendimento móvel de urgência com a central de regulação e as portas de entrada da urgência [dissertação]. Porto Alegre: Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2009. 145f.

26. Ximenes Neto, F. R. G. X. et al. Análise do processo de trabalho dos técnicos de enfermagem do serviço de atendimento móvel de urgência (SAMU). Biblioteca Lascasas, Ceará, Brasil, v. 5.

27.Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

28. Soares L.; Almeida R.; Gonçalves, V. Manual do curso de atendimento avançado em emergência para enfermeiro. São Paulo: Secretaria de Estado da Saúde, 1996. 132p.

29. Santos J.S. et al. Manual do curso de capacitação para médicos reguladores. Ribeirão Preto: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo- Unidade de Emergência; Secretaria Municipal da Saúde de Ribeirão Preto; Direção regional de Saúde (DIR XVIII), 2000. 63p.

30. Santos J.S. Sistema de Urgência e Emergência de Ribeirão Preto. Estrutura, Organização, Acesso (Central Única de Regulação), Resultados, Avaliação e Desafios. In: I SIMPÓSIO SOBRE O SISTEMA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO, Ribeirão Preto, 2001.
—————————————————————————————————————————————-
ARTIGO
Garantindo a resistência

AUTORES:
Wender Camilo Gusmão e Niander Aguiar Cerqueira

ILUSTRAÇÃO
Beto Soares / Estúdio Boom

Estudo analisa as propriedades mecânicas e térmicas das vigas de concreto armado em situação de incêndio, visando à segurança das estruturas

REFERÊNCIAS
BACARJI, E. Análise de estruturas de edifícios: projeto de pilares. Dissertação de Mestrado, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. 1993.

BRASIL. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 5628 – Componentes Construtivos estruturais – Determinação da Resistência ao Fogo. Rio de Janeiro, 2001.

BRASIL. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15200 – Projeto de Estruturas de Concreto em Situação de Incêndio. Rio de Janeiro, 2012.

BRASIL. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Exigências de resistência ao fogo de elementos construtivos de edificações. Procedimento. NBR 14432. Rio de Janeiro. RJ. Brasil, 2001.

COELHO, A. L. Incêndios em edifícios. Editora Orion, primeira edição – outubro de 2010.

COSTA, C. N.; SILVA, V. P. Estruturas de Concreto Armado em Situação de Incêndio. Maio de 2002 – Universidade de Brasília – UnB Brasília, DF – Brasil, 2002.

COSTA, C. N; FIGUEIREDO, A. D; SILVA, V. P. O fenômeno do lascamento (“spalling”) nas estruturas de concreto armado submetidas a incêndio – uma revisão crítica. Instituto Brasileiro de Concreto – 44o Congresso Brasileiro. 2002.

COSTA, C. N; SILVA, V. P. Considerações sobre a segurança das estruturas de concreto em situação de incêndio. NATAU, 2004.

COSTA, C. N. Dimensionamento de elementos de concreto armando em situação de incêndio. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo. 2008.

INACIO, P. J. Evolução da temperatura ambiente em construções sujeitas ao fogo. Dissertação de Mestrado, Universidade Nova de Lisboa, 2011.

OLIVEIRA, I. A. Estrutura de Concreto Armado em Situação de Incêndio. Uma Análise Térmica de uma viga sob Flexão Simples. Curitiba 2013. Disponível em <http://www.dcc.ufpr.br/mediawiki/images/e/ea/TCC_2013_Isaac.pdf> Acesso em 12 de mar. 2014.

PRADO, E. P. Intervenções em estruturas de concreto. PEF-EPUSP. São Paulo, 2008.

SEITO, A. I. et al. A Segurança contra Incêndios no Brasil. São Paulo: Projeto Editora. 2008.

SILVA, V. P. Estruturas de Aço em Situação de Incêndio. Zigurate. São Paulo, 2001.

SOARES, E. M. P. Verificação de Peças Usuais de Concreto Armado em Situação de Incêndio. Belo Horizonte, 29 de setembro de 2003. Disponível em <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/FACO-5SMPHR/dissert._ecidiamariapinto_soares.pdf?sequence=1> Acesso em 10 de mar. 2015.

SOUZA, U. E. L. Incêndio em edifícios: Conceitos Básicos. Revista CIPA. São Paulo. SP. Brasil, 1999.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui