ARTIGO
Infarto Agudo do Miocárdio

Autores: Wanderson Santos de Farias e Marcos Antônio da Silva Filho

FOTO
José Roberto Hansen

Estudo mostra a importância do conhecimento dos profissionais de APH no tratamento da doença e os principais exames em âmbito hospitalar

Referências

Kereiakes DJ, Weaver WD, Anderson JL, Feldman T, Gibler B, Aufderheide T, Williams DO, Martin LH, Anderson LC, Martin JS. Time delays in the diagnosis and treatment of acute myocardial infarction: a tale of eight cities. Report from the Pre-hospital Study Group and the Cincinnati Heart Project. Am Heart J 1990 Oct;120(4):773-80.

Lee TH, Weisberg MC, Brand DA, Rouan GW, Goldman L. Candidates for thrombolysis among emergency room patients with acute chest pain. Potential true- and false-positive rates. Ann Intern Med 1989 Jun 15;110(12):957-62.

Kannel WB, Cupples LA, D`Agostino RB. Sudden death risk in overt coronary heart disease: the Framingham Study. Am Heart J 1987 Mar;113(3):799-804.

Myerburg RJ, Castellanos A. Cardiac arrest and sudden death. In: Braunwald E, editor. Textbook of cardiovascular medicine. 6th ed. Philadelphia: W.B.Saunders; 2001. p. 890-923.

Timerman A, Feitosa GA. Síndromes coronárias agudas. Rio de Janeiro: Atheneu; 2003.

Kereiakes DJ, Gibler WB, Martin LH, Pieper KS, Anderson LC. Relative importance of emergency medical system transport and the prehospital electrocardiogram on reducing hospital time delay to therapy for acute myocardial infarction: a preliminary report from the Cincinnati Heart Project. Am Heart J 1992 Apr;123(4 Pt 1):835-40.

Prehospital thrombolytic therapy in patients with suspected acute myocardial infarction. The European Myocardial Infarction Project Group. N Engl J Med 1993 Aug 5;329(6):383-9.

Risenfors M, Herlitz J, Berg CH, Dellborg M, Gustavsson G, Gottfridsson C, Lomsky M, Swedberg K, Hjalmarsson A. Early treatment with thrombolysis and beta-blockade in suspected acute myocardial infarction: results from the TEAHAT Study. J InternMedSuppl 1991;734:35-42.

ROBBINS, S. L. Patologia Estrutural e Funcional. 6 ed.  Guanabara: Koogan, 2000.

BRASIL, Portaria 2048/GM de 5 novembro de 2002.

MOTTA, V. T. Bioquímica Clínica para o Laboratório: Princípios e Interpretações. 4ªed. Porto Alegre: Editora Médica Missau; São Paulo: Robe editorial,  EDUCS – Caxias do Sul, 2003.

APPLE et al. National Academy of Clinical Biochemistry and IFCC Committee for Standardization of Markers of Cardiac Damage Laboratory Medicine Practice Guidelines: Analytical Issues for Biochemical Markers of Acute Coronary Syndromes. Clinical Chemistry: 547-551. 2007.

Ministério da Saúde – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU, 2014.

 

—————————————————————————————————————————–

ARTIGO
Escalas de avaliação de trauma

Autora: Leidiane Mendes Brito

ILUSTRAÇÃO
Beto Soares/Estúdio Boom

Utilização pode auxiliar no processo de triagem dos pacientes, no planejamento de serviços e na distribuição de recursos humanos e materiais

Referências

ABRAMOVICI Sulim, SOUZA Renato Lopes. Abordagem em criança politraumatizada, Jornal de Pediatria 1999 (Rio J.).

ANTUNES Arthur Velloso; COSTA. Moacir Nascimento. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um Hospital Universitário.

AZEVEDO, Ana Lídia de Castro Sajioro. Gerenciamento do cuidado de enfermagem em unidade de urgência traumática. Dissertação apresentada à escola de enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo para a obtenção de mestre em Ciências, Programa de Pós-graduação em Enfermagem Fundamental. 2010.

BALAS, E. A. Protocolos Clínicos Baseados em Evidências. São Paulo, PROAHSA-Fundação Getúlio Vargas, 1998.

BOVER, P.; LISBOA, M.A.P.L.P. Triagem de Enfermagem em Pronto Socorro: proposta para implantação em um hospital privado. Tratado de Enfermagem 2005; 2(2), p.75-87.

BRASIL. Ministério Da Saúde. Portaria nº 824/GM Em, 24 de Junho de 1999. DOU-120-E SEÇ.I DE 25.6.99. Normas De Atividade Médica Em Nível Pré-Hospitalar.

BRASIL. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Diretoria Geral. Diretoria Executiva. Instituto de Pesquisas Rodoviárias. Custos de acidentes de trânsito nas rodovias federais: sumário executivo. – Rio de Janeiro, 2004. 33p. (IPR. Publ., 733).

BRASIL. Conselho nacional de Saúde. Resolução 196/96. Estabelece critérios sobre pesquisas envolvendo seres humanos. Brasilia/1996.

CHIZZOTTI, Cortez. A pesquisa em ciências humanas e sociais. 5° Ed. São Paulo. 2001.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem . Departamento de Tecnologia da Informação – DTI/Cofen. Comissão de Business Intelligence. Análise de dados dos profissionais de enfermagem existentes nos Conselhos Regionais Março de 2011 – Versão 1.0.

CYRILLO, Regilene. Molina Zacareli. Diagnósticos de enfermagem em vítimas de trauma no Atendimento Pré- Hospitalar Móvel [dissertação]. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo, 2005.

DEJOURS, C.; ABDOUCHELI, E.; JAYET C.   Psicodinâmica do trabalho: Contribuição da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho.  São Paulo:  Atlas, 1994.

DILLY, C.M.L.; JESUS, M.C.P.de. Processo educativo em enfermagem: das concepções pedagógicas à prática profissional. São Paulo: Robe, 1995. Cap. 2, p. 51-122: Situações de ensino em enfermagem.

ESTRADA, E. G. Clinicas de Enfermagem na América do Norte. Sistemas de Triagem. Interamericana. Rio de Janeiro. 1991.

GATTI, M. F. Z. Projeto acolhimento no Pronto Socorro. Disponível em: www.acasa.com.br. Acesso em: 11/05/2011.

GATTI, M. F. Z. Triagem de Enfermagem em serviço de emergência. Disponível em: www.samaritano.com.br.  Acesso em: 10/04/2011.

GATTI, M. F. Z. LEÃO, E. R.. O papel diferenciado do Enfermeiro em serviço de emergência: a identificação de prioridades de atendimento. Rev. Nursing, V.73, n.7, p.24-8, jun. 2004.

GEOVANINI, Telma et al. História da Enfermagem: versões e interpretações. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Revinter, 2005.

GENNARI, Terezinha Dalossi; KOIZUMI, Maria Sumie. Determinação do nível de gravidade do trauma. Revista de Saúde Pública. 1995.

GONÇALVES, Fátima, MORITA, Patrícia Alessandra, HADDAD, Sonia. Seqüelas Invisíveis Dos Acidentes De Trânsito: O Transtorno De Estresse Pós-Traumático Como Problema De Saúde Pública. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília. 2006.

GUSTAVO Pereira Fraga, Programas de qualidade no atendimento ao trauma. Rev. Medicina (Ribeirão Preto) 2007.

JACOBI, Caren da Silva; PROCHNOW, Andrea; CERON, Marinez Diniz da Silva; MAGNAGO, Tânia Solange Bosi de Souza; GRECO, Patrícia Bitencourt Toscani; SCALCON, Camila de Brum. Percepções Sobre A Saúde Do Trabalhador De Enfermagem: Reflexões Acerca Da Vivência Acadêmica Em Um Pronto-Socorro. 3° seminário internacional sobre o trabalho na enfermagem. Trab. 41. 2011.

KANDOLIN. I. Bournout of female nurses in shi work. Ergonomies, 36 (1-3):pp. 141-147. 1993.

LAKATOS, Eva M.; MARCONI, Marina de A . Ciência e conhecimento científico. In: Fundamentos da Metodologia Cientifica.SP: Atlas, 2001.

LINO, Margarete Marques. Satisfação profissional entre enfermeiras de UTI: adaptação transcultural do index of work satisfaction (IWS). 1999. 236 f. Dissertação (mestrado) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

MANTOVANI, Mario; FRAGA Gustavo Pereira. AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE – ÍNDICES DE TRAUMA. 1995 Disponível em: http://www.hc.unicamp.br/trauma/ensino/estudo/avaliacao_da_gravidade.htm.

MALVESTIO, Marisa Aparecida Amaro. SOUSA, Regina Márcia Cardoso de. Indicadores clínicos e pré-hospitalares de sobrevivência no trauma fechado: uma análise multivariada Rev Esc Enferm USP 2010; 44(2):352-9

MELLO Adryenne de Carvalho, BRASILEIRO Marislei Espíndula. A importância do enfermeiro no Atendimento Pré-Hospitalar (APH): Revisão Bibliográfica. Revista Eletronica de enfermagem 2010 jan-jun. Disponível em: http://www.ceen.com.br/revistaeletronica.

MINAYO, M. C. S. Violencia e Saude. Sustentação. n. 11, ano IV. Mai./jun./jul./ago. 2003.

NETO, Antonio Guedes; SANTANA, Rogério Santos. A violência do transito na cidade de Patos – PB, nos anos de 2003 e 2004. Policia militar do estado da Paraíba, Diretoria de ensino centro de ensino. João Pessoa-PB. 2005.

OLIVEIRA, Alline. SILVA Ana Raquel A. M. BARBOSA Elaine Cristina. Perfil Dos Traumas De Membros Inferiores Atendidos Por Um Serviço De Resgate Pré-Hospitalar Último Trimestre De 2009. Artigo Científico Apresentado ao Curso de Enfermagem da Faculdade Estácio de Sá – Goiás para Obtenção do Título de Enfermeiro. 2009.

OMS/CID-10. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Classificação Internacional de Doenças e problemas relacionados à saúde/CID-10/OMS. 10ª. Revisada volume 1, trad. Centro Colaborador da OMS para a classificação de Doenças em Português, 5ª . ed., S.Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, EDUSP. 1997-1993

PEREIRA, José Gustavo; RASSLAN, Samir. Atendimento inicial ao traumatizado. Artmed/Panamericana Editora Ltda. Porto Alegre. 2007.

PIRES, P. S. Tradução para o português e validação de instrumento para triagem em serviços de emergência. Disponível em www.teses.usp.br/teses, São Paulo, 2003. Acesso em: 15/03/2011.

RAMOS, Cristiane da Silva. Caracterização Do Acidente De Transito E Gravidade Do Trauma: Um Estudo Em Vítimas De Um Hospital De Urgência Em Natal/RN. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de ciências de saúde, Departamento de Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Natal-RN. 2008.

SOUZA, Cristiane Chaves de .  TOLEDO, Alexandre Duarte. TADEU, Luiza Ferreira Ribeiro. CHIANCA, Tânia Couto Machado. Classificação de risco em pronto-socorro: concordância entre um protocolo institucional brasileiro e Manchester.. Rev. Latino-Am. Enfermagem 19 (1): [08 telas] Jan-Fev 2011.

SOUSA, R.M.C.de; KOIZUMI, M.S.; CALIL, A.M.; GROSSI, S.A.A.; CHAIB, L. A gravidade do trauma em vítimas de traumatismo crânico-encefálico avaliada pelo manual AIS/90 e mapas CAIS/85. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 6, n.1, p. 41-51, janeiro 1998.

TASHIRO, M.T.O. MURAYAMA. S. P. G. Assistência de enfermagem em ortopedia e traumatologia. São Paulo. Atheneus. 2001.

TEIXEIRA, Elizabeth; RANIERI, M.S.S. Diretrizes para elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso. 2ª Ed. Belém: EDUEPA, 2001.

THOMAZ, Rosimey Romero. LIMA, Flavia Vernaschi. Atuação do Enfermeiro no Atendimento Pré Hospitalar na Cidade de São Paulo. Acta Paul Enf. São Paulo. v. 13, n 3, p. 59-65,2000.

TRIVINOS, A.N.S. Introdução a pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo. Atlas. 1987.

POLIT, Denise F; BECK, Cheryl Tatano. Fundamentos da pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. Tradução: Denise Regina de Sales; revisão técnica: Anna Maria Hecker Luz, Lísia Maria Fensterseifer, Maria Henriqueta Luce Kruse. – 7. ed. – Porto  Alegre : Artmed, 2011.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui