ARTIGO
Emergências em estádios

AUTORES
Marcos de Carvalho Alves Ferreira
Everaldo Pessoa de Andrade
Gustavo Rumblesperger Guerra da Silva

FOTO
Cap. Eduardo Araripe

Estudo mostra o perfil das vítimas socorridas em uma partida de futebol considerando o sexo, a faixa etária e a característica do atendimento

Referências Bibliográficas

Murphy P; Williams J; Dunning E. O futebol no banco dos réus: violência dos espectadores num desporto em mudança. Portugal: Celta Editora, 1994.

Pimenta CAM. A complexidade das relações societárias e os novos sujeitos: a violência como ponto de partida. Revista Ciências Humanas. 1996; 2(1): 17-26.

Toledo LH. Torcidas organizadas de futebol. 1996; Coleção Educação Física e Esportes.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei nº. 7498 de 1986. Institui sobre o atendimento pre hospitalar. Brasilia, DF, set. 2003.

Site. Gse. http://www.gse.cbmerj.rj.gov.br/.

Site. Gpreve. http://www.gpreve.cbmerj.rj.gov.br/modules.php?na­me=Content&pa=showpage&pid=113.  

Tomasi NGS; Yamamoto RM. Metodologia da pesquisa em saúde: fundamentos essenciais. Curitiba: as autoras, 1999.

Leopardi, MT. Teorias de enfermagem; Instrumentos para a pratica. Florianópolis: Papa livros, 1999.

Gauthier JHM. Pesquisa em Enfermagem: Novas Metodologias Aplicadas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.

BRASIL. Presidencia da Republica. Lei nº 10.671. Dispoem  sobre o Estatuto de Defesa do Torcedor e dá outras providências. Brasilia, DF, maio. 2003.

Freire ECS.Trauma a doença do século.Ed.Atheneu, 2001.

Samulski D. Psicologia do Esporte. Editora Manole, 2002.

Rev.paul.enferm;25(1):3843, jan, mar. 2006. http://www.re­venf.bvs.br/scielo.php?script=sci_issues&pid=0100-8889&lng= es&nrm=iso.


—————————————————————————————————————————

ARTIGO
Psicologia das Emergências

AUTOR
Daniela da Cunha Lopes

FOTO
Almir Almeida

Os avanços e as fragilidades da Psicologia aplicada às emergências e desastres no Brasil

Referências Bibliográficas

Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS. Informações de saúde. 2005. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/ portal/aplicacoes/tabfusion/tabfusion.cfm. Acesso em: 12 abril. 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS: acolhimento com avaliação e classificação de risco: um paradigma ético-estético no fazer em saúde. Brasília: Editora MS, 2004.

Mello, E. P. de. Estimativa de Custos de Acidentes nas Rodovias Federais, In: Seminário da Pesquisa Intitulada Estimativa dos Custos de Acidentes de Trânsito na Malha Rodoviária Federal. 2005.

Lopes, M.M.B. Fiscalização Eletrônica da Velocidade de Veículos no Trânsito: Caso de Niterói. (Dissertação) Mestrado em Ciências em Engenharia de Transportes. Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. 2006.

Thomaz, R. R.; Lima, F. V. Atuação do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar na cidade de São Paulo. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 13, n. 3, p. 59-65, 2000.

Condorimay Tacsi, Y.R. Assistência à criança e ao adolescente em unidades não hospitalares de urgência e emergência em um município do interior do Estado de São Paulo: um estudo de avaliação. Tese (Doutorado – Programa de Pós-Graduação Enfermagem em Saúde Pública). Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto. 2007.

Tacsi, Y.R.C.; Vendruscolo, D.M.S. A assistência de enfermagem no serviço de enfermagem pediátrica. Rev. Latino-Americana de Enfermagem, v. 3, n. 12, p. 477-484. 2004.

Calderero, A.R.L.; Miasso, A.I.; Corradi-Webster, C.M. Estresse e estratégias de enfrentamento em uma equipe de enfermagem de Pronto Atendimento. Revista Eletrônica de Enfermagem. São Paulo. v.10, n. 1, p. 51-62, 2008.

Morales Soto, N. Raúl. Algunas consideraciones para la organización de servicios de salud para emergencias y desastres. An. Fac. Med. Lima, Peru, v. 62, n. 1, p. 44-5, jan. 2001.

Rodrigues, L. A.; Miller, E. L. C. Trauma por acidentes de veículos em rodovias. In: Freire, E. Trauma: a doença dos séculos. São Paulo: Atheneu, 2001. v 1, cap. 21, p. 349-372.

Menzani G, Bianchi E.R.F. Stress dos enfermeiros de pronto socorro dos hospitais brasileiros. Revista Eletrônica de Enfermagem. v.11, n.2. 2009. p. 327-33.

Canetti, M. D. et al. Rotinas de atendimento pré-hospitalar ao politraumatizado pelo GSE – Grupamento de Socorro de Emergência do Corpo de Bombeiros. In: FREIRE, E. Trauma: a doença dos séculos. São Paulo: Atheneu, 2001. v. 1, cap. 44, p. 593-617.

Lunney, M. Critical thinking and accuracy of nurses` diagnoses. Int J Terminol Classif. a. 14, n.3, p.96-107. 2003.

Batista, K.M.E.;  Bianchi, E. R. F. Estresse do enfermeiro em unidade de emergência. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2006, v.14, n.4, p. 534-539.

Hoffmann, M. H.; González, L. M. Acidentes de trânsito e fator humano. In: Hoffmann, M. H.; Cruz, R. M.; Alchieri, J. C. (Orgs.). Comportamento humano no trânsito. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. Cap. 21,  p. 377-391.

Briccius, M.; Murofuse, N.T. Atendimento de crianças realizado pelo SIATE de Cascavel no ano de 2004. Rev. Eletr. Enf. a.10, n. 1, 2008, p. 152-166.

Martins, C. B. G. Acidentes na infância e adolescência: uma revisão bibliográfica. Rev. Brasileira de Enfermagem, Brasília,  v. 59,  n. 3, jun. 2006.

Alfaro-Lefevre, R. Aplicação do processo de enfermagem: promoção do cuidado colaborativo. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

NANDA, North American Nursing Diagnosis Association. Diagnósticos de enfermagem: definições e classificação 2007-2008. São Paulo: Artmed, 2008.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui