ARTIGO
CONTROLE DA DOR

Autores: Salomão Patrício de Souza França, Regina Braga Costa, Flavia Jacqueline Oliveira da Silva, Emanuela Bezerra da Silva, Priscila Gouveia Nolasco Ribeiro

Ilustração: Beto Soares/Estúdio Boom

Estudo revela que sintoma em vítimas de trauma é negligenciado na emergência e propõe mais atenção à problemática



Referências Bibliográficas

Projeto Trauma – 2005-2025: sociedade, violência e trauma. Sociedade Brasileira de Atendimento Integral ao Traumatizado, Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, Associação Brasileira de Medicina Intensiva, Sociedade Brasileira de Pediatria, Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, Sociedade Brasileira de Anestesiologia, Colégio Brasileiro de Cirurgiões. [citado em 23 março de 2007]. Disponível em: www.cbc.org.br.

Calil AM, Pimenta CAM. Conceitos de enfermeiros e médicos de um serviço de emergência sobre dor e analgesia. Revista da Escola de Enfermagem da USP.2005; 39(3):325-32.

IASP – International Association for the Study of Pain. Classification of Chronic Pain. Acessado (http://www.iasp-pain.org/AM/Template.cfmSection=Classification_of_Chronic_Pain&Template=/CM/HTMLDisplay.cfm&ContentID=2687).

Pimenta CA, Teixeira MJ. Questionário de dor McGill: Proposta de adaptação para a língua portuguesa. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 1996; 30,473-83.

Manfredi APS, Silva AA, Vendie LL. avaliação da sensibilidade do questionário de triagem para dor orofacial e desordens temporomandibulares recomendado pela Academia Americana de Dor Orofacial. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. Nov-Dez 2001; V.67, 763-8.

Fraga AO, Slullitel A, Souza AM. O papel do anestesiologista no atendimento do trauma. Simpósio Trauma I, CapII. Medicina, Ribeirão Preto. Jul-Set.1999,32:251-261.

Grisi S, Miyake RS, Reis AG. Sedação e analgesia em crianças. Revista da associação médica do Brasil. 1998; 44(1):56-64.

Gutiérrez MGR, Koizumi MS, Whitaker IY. Gravidade do trauma avaliada na fase pré-hospitalar. Revista da Associação Médica do Brasil. 1998; 44(2):111-9.

Cid J LH, N Freddi, Santiago M B. Sedação e analgesia em crianças: uma abordagem prática para as situações mais freqüentes. Jornal de  Pediatria 2007;vol.83 no.2 supl.

Guyton  AC, Hall  J E. Fisiologia humana e mecanismos de doenças. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1997.

Amaral JLG, Junior GRR. Experiência clínica com o uso de sedativos em terapia intensiva. Estudo Restrospectivo. Revista Brasileira de Anestesiologia.2002;52:6:747-755.

Dellaroza MSG, Sereza TW. O que está sendo aprendiso a respeito da dor na unidade de emergência. Seminário de Ciências Biológicas e da Saúde da universidade Estadual de Londrina. 2003; v. 24, p.55-66.

Carvalho DS, Kowacs PA. Avaliação da Intensidade de dor. Migrâneas Cefaléia.2006; 9(4):164-68.

Gennari TD, Koizumi MS. Determinação do nível de gravidade do trauma. Revista de Saúde Pública. 1995, 29(5):333-341.

Slullitel A, Souza AM. Analgesia, sedação e bloqueio neuromuscular em UTI. II Simpósio de Medicina Intensiva.1998;31: 507-16.

Ducan A, et al. Analgesia e sedação em situações de emergência e unidades de tratamento intensivo pediátrico. Jornal de  Pediatria.2003;vol.79 no.2 supl.

Ressel LB, et al. A cultura permeando os sentimentos e as reações à dor. Revista da escola de Enfermagem USP. 2007; 41(1):36:43.

Calil AM, Pimenta CAM. Intensidade da dor e adequação da analgesia. Revista Latino-Americana de Enfermagem.2005; 13(5):692-9.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui