Motivação no APH

AUTORES: Cheyenne Vieira Camilo e Patrícia do Amaral Avansi

ILUSTRAÇÃO: Beto Soares/Estúdio Boom

Artigo identifica as motivações que levam os profissionais de enfermagem a atuar no atendimento pré-hospitalar

Referências:

ADÃO; R. SANTOS. M. Atuação do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar móvel. rev.min.Enferm; 16(4).601-608,out/dez.2012.

AMTHAUER et al. Atendimento pré-hospitalar: o profissional de enfermagem na assistência ao indivíduo em situação de risco. Revista Brasileira de enfermagem,vol35.p3-9.2012.

ARCHER; E R. Organização psicodinâmica da vida organizacional: motiva-
ção e liderança. São Paulo.p.3-24.1990.

AVELAR; L.et al. Configuração identitária de enfermagem de um serviço de atendimento móvel de urgência. Revista Brasileira de enfermagem, vol 63,n°6,p. 1010-1018. 2010.

BATISTA; A. et al. Fatores de motivação e insatisfação no trabalho do enfermeiro. Rev. esc. Enferm .usp. 2005. 39 (1): 85-91.

BERGAMINI; C. W. Motivação. São Paulo. Atlas. 2°edição. 1989.

BERNARDES; A. et al. Supervisão do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar móvel: Visão dos auxiliares de enfermagem. Maringá. v8, n1, p.79-85. jan/mar. 2009. Disponível em: http://www.eduemojs.uem.br/ojs/índex.php. Acesso em: 15 abril. 2017.

BRASIL; Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Protocolos de Intervenção para o SAMU 192 – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. uporte Básico de Vida. Brasília: Ministério da Saúde, 2a edição, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Protocolos de Intervenção para o SAMU 192 – Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Suporte Avançado de Vida. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1864 GM/MS, de 29 de setembro 2003. Institui o componente pré-hospitalar móvel da Política Nacional de Atenção às Urgências, por intermédio da implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência em um município e regiões todo o território brasileiro:SAMU-192. Diário Oficial da União, Brasília: out. 2003. Seção 1; 57.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 2048/GM, de 5 de novembro de 2002, Brasília (DF): 2002.

BRASIL. Lei Federal no 7.498 do Exercício Profissional de Enfermagem, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do Exercício da Enfermagem e dá outras providências. Brasília (DF): 1986.

BUENO. A.; BERNARDES. A. Percepção da equipe de enfermagem de um serviço de atendimento pré-hospitalar móvel sobre o gerenciamento de enfermagem. Florianópolis, v.19, n. 1, p.45-53. 2010.

CALIL. A. M; PARANHOS; O enfermeiro nas situações de emergência. São Paulo: Atheneu; 2007.

CHIAVENATO; I. Gestão de Pessoas. Rio de Janeiro.1999.

COREN-SP; Conselho Regional de Enfermagem. Decisão COREN/SP DIR- 01/2001: Regulamenta as atividades de enfermagem no atendimento pré-hospitalar. São Paulo (SP): 2001. 

COUTINHO.K. Atividades do enfermeiro do atendimento pré-hospitalar. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.p23-9.2011.

FELLI. V. Condições de trabalho de enfermagem e adoecimento: motivos para a redução da jornada de trabalho para 30 horas. Enfermagem em foco.2012;3(4):178-181.

FERNANDES; RJ. Caracterização da atenção pré-hospitalar móvel da Secretaria da Saúde do município de Ribeirão Preto-SP [dissertation]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP; 2014.

FERREIRA;CSW. Os serviços de assistência às emergências no município de São Paulo: implantação de um sistema de atendimento pré-hospitalar. São Paulo: Faculdade de Medicina/Universidade de São Paulo; 1999.

GENTIL; R. RAMOS. L. WHITAKER. I. Capacitação de enfermeiros em atendimento pré-hospitalar. Rev. Latino.am.Enfermagem.2008.março/abril www.eerp.usp.br/rla

GIL; A. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ed. São Paulo. Atlas. 2007.

LIMA. T.et. al. Motivação no trabalho do enfermeiro: estudo realizado em instituições hospitalares de João Pessoa, Paraíba. Brasil.Revista de enfermagem. UFPE. online. 2009. apr/june; 3(2),275-81.

MACHADO.M.et.al. Condições de trabalho da enfermagem. Enferm. Foco.São Paulo.2015;6.79-90.

MARTINEZ;A.M, Nitschke CAS. Regulação médica dos serviços de atendimento médico de urgência – SAMU. Florianópolis: Secretaria de Estado da Saúde de SantaCatarina.2010.http://www.saude.sc.gov.br/geral/orgaos_vinculados/samu/Manual.

MARTINS.P.PRADO;M. Enfermagem e serviço de atendimento pré-hospitalar: descaminhos e perspectivas. Revista Brasileira de enfermagem.Brasília.v.56,n°1.p71-75,jan/fev/2003.

MASLOW;A.L. Maslow no gerenciamento. Rio de Janeiro.Qualitymark.1975.

MINAYO.M.C.S.DESLANDES;S. Análise da implantação do sistema de atendimento pré-hospitalar móvel em cinco capitais brasileiras. Caderno de saúde pública. Rio de janeiro.v24,n°8 p.1877-86.2008.Disponível em: www.scielo.php. Acesso em:28 de abril de 2017.

ORTEGA.M.et.al. Formação acadêmica do profissional de enfermagem e sua adequação às atividades de trabalho.Rev.Latino-Am.enfermagem.maio-jun,2015;23(3):404-10.

PEREIRA.E,JÚNIOR.M,FERNANDES;J. Atribuições do enfermeiro nas unidades de suporte avançado do serviço de atendimento móvel de urgência-SAMU: uma revisão da literatura. Revista Científica Indexada Linkania Júnior. Ano 2 n°2.2012.

PEREIRA;W.LIMA.M. Atendimento pré-hospitalar: caracterização das ocorrências de acidente de trãnsito. Acta Paul Enferm.19(3):279-83.2006.

RAMOS;VO, Sanna MC. Inserção da enfermeira no atendimento pré-hospitalar. REBEn – Revista Brasileira de Enfermagem 2005, 58 (3): 355-60.

REGIS;L.PORTO.I. A equipe de enfermagem e Maslow: satisfação no trabalho.Rev.Bras.Enferm.jul-ago;59(4):565-8.2006.

ROBBINS;S. Comportamento organizacional. São Paulo. Prentice Hall.2002.

ROCHA;P.K.et.al. Assistência de enfermagem em serviço pré-hospitalar e remoção aeromédica. Revista Brasileira de enfermagem.Brasília,v56,n°6,p.69 Disponível em: http://www.scielo.br.php?script=sci.2015.

ROMANZINI;EM.BOCK.LF. Concepções e sentimentos de enfermeiros que atuam no atendimento pré hospitalar sobre a prática e a formação profissional. Rev.Latino.Am.Enfermagem.18(2)mar-abr.2010. Disponível em: www.eerp.usp.br/rlae

SAMPAIO;J.O Maslow desconhecido: uma revisão de seus principais trabalhos sobre motivação. R.adm. São Paulo.v44,n1,p.5-16.jan/fev/mar.2009.

SANTOS;N. Urgência e Emergência para a enfermagem do atendimento pré-hospitalar (APH) á sala de emergência.p.12-14.6°edição.editora Iátria.2015.

SEVERINO;A. Metodologia do trabalho científico. Cortez Editora.p.85-7.2014.

SILVA;E.et.al. Aspectos históricos da implantação de um serviço de atendimento Pré-hospitalar. Rev.Eletr.enf.12(3):571-7.2010. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v12/n3/a23.htm.

SILVA;SF,LUCIO DBM,ILHAS,at AL. Dificuldades vivenciadas em um serviço de atendimento móvel de urgência: Percepções da equipe de enfermagem.Rev.Enferm.Cent.2014.mai/ago:4(2):1161-1172.

VARGAS;D. Atendimento pré-hospitalar: A formação específica do enfermeiro na área e as dificuldades encontradas no início da carreira. Rev.Paul.Enf.25(1):46-51.2006.

WALESKA;A.et.al. Atendimento pré-hospitalar: Caracterização das ocorrências de acidentes de trânsito.
———————————————————————————–
ARTIGO

Desastres naturais

AUTORES: Karen Paola Anghinoni e Manuela Gazzoni dos Passos

FOTO: Prefeitura São Domingos/SC

Levantamento histórico revela as ocorrências registradas em município de Santa Catarina ao longo de 14 anos

Referências:
BRASIL PLANALTO – PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Casa Civil, Brasília – DF, 1996. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 13 nov. 2018.

BRASIL PLANALTO – PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Casa Civil, Brasília – DF, 2012. Lei n° 12.608, de 10 de abril de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12608.htm. Acesso em: 13 nov. 2018.

BRASIL PLANALTO – PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Casa Civil, Brasília – DF, 2017. Lei n° 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm. Acesso em: 13 nov. 2018.

COMFORT, L. K. Fragility in disaster response: Hurricane Katrina, 29 August 2005. The Forum.2005;3(3):1-8.

CUNHA, G. R. et al. Uma discussão sobre o conceito de hazards e o caso do furacão/ciclone Catarina [Internet]. Passo Fundo: Embrapa Trigo; 2004. Disponível em: http://www.cnpt.embrapa.br/biblio/do/p_do36.htm. Acesso em: 28 set. 2018.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Solos do Estado de Santa Catarina. 2004. Disponível em: http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/88186/1/BPD-46-2004-Santa-Catarina-.pdf.Acesso em 07 ago. 2018.

FATMA – Parque Estadual das Araucárias – Plano de Manejo / Diagnóstico (Vol I) [201-?]. Disponível em: http://www.fatma.sc.gov.br/upload/ucs/araucarias/1-4_DiagnósticoPEA – Parte 1.pdf. Acesso em 07 ago. 2018.

FRANÇA, R. F. As inter-relações entre a Defesa Civil e a Saúde Pública [Monografia]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2005.

G1. Lei vai obrigar uso de água da chuva em novos imóveis de São Carlos, SP. São Paulo, 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2016/05/lei-vai-obrigar-uso-de-agua-da-chuva-em-novos-imoveis-de-sao-carlos-sp.html. Acesso em: 13 nov. 2018.

GLICKMAN, T. S; etal.Acts of God and acts of man: recent trends in natural disasters and major industrial accidents. Washington, D.C: resources for the future; 1992 (Discussion Paper CRM 92-02).

IANDOLI, Rafael. “Por que países ricos são mais resilientes a desastres naturais”. Nexo Jornal, 2017. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/08/30/Por-que-países-ricos-são-mais-resilientes-a-desastres-naturais. Acesso em: 13 nov. 2018. 

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa nacional de vigilância em saúde ambiental dos riscos decorrentes dos desastres naturais – vigidesastres [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2007 [acessado em 3 nov. 2008]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/ programa_vigidesastres.pdf.

RELATÓRIO DOS DANOS MATERIAIS E PREJUÍZOS DECORRENTES DE DESASTRES EM SANTA CATARINA 1995 – 2014/ Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres [Organização Rafael Schadeck]- Florianópolis: CEPED UFSC, 2016, 72p.

RICCIARELLI, Mauro Cezar dos Santos. A Defesa Civil nas Escolas como Programa Educacional de Segurança Pública. São Paulo, 2011. Disponível em: https://ecitydoc.com/download/a-defesa-civil-nas-escolas-como-programa-educacional-de_pdf. Acesso em: 13 nov. 2018.

SÃO DOMINGOS. Prefeitura municipal de São Domingos. Dados geográficos e Históricos. Disponível em: www.saodomingos.sc.gov.br. Acesso: 30 jul. 2018.

SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL.Santa Catarina, 2013. Disponível em: http://www.defesacivil.sc.gov.br/. Acesso em 13 nov. 2018.

SOBRAL, A; et al . Desastres naturais – sistemas de informação e vigilância: uma revisão da literatura. Epidemiol. Serv. Saúde,  Brasília ,  v. 19, n. 4, p. 389-402,  dez.  2010. Disponível em http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742010000400009&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 16  set.  2018.

SOUZA, Beatriz. No Japão, prevenção a terremotos vem de berço. 2011. Disponível em: https://veja.abril.com.br/mundo/no-japao-prevencao-a-terremotos-vem-do-berco/. Acesso em: 13 nov. 2018.

SOUZA, Fabiano de et al. Programa Defesa Civil na Escola – Em Defesa do Cidadão, Preparando um Futuro Melhor. Estado de Santa Catarina, Gabinete do Secretário, 2013, 11 p.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui