ARTIGO
Aprendendo com o SAMU

AUTORES:
Ana Lúcia Soares Tojal e Margarete Pereira Cavalcante

FOTO:
Arnaldo Santos/ASCOM SAMU Maceió

Estudo ressalta a contribuição do estágio curricular no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Maceió para a formação médica

REFERÊNCIAS:
Brasil. Ministério da Saúde (MS). Política nacional de atenção às urgências. 3ª Edição. Brasília: MS; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Regulação médica das urgências. Brasília: MS; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Política nacional de regulação do SUS. Brasília: MS; 2008.

Dias CA. Grupo focal: técnica de coleta de dados em pesquisas qualitativas. Informação & Sociedade 2000; 10(2):1-12.

Backes DS, Colomé JS, Erdmann RH, Lunardi VL. Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. Mundo Saúde 2011; 35(4):438-442.

Gondim SMG. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia (Ribeirão Preto) 2002; 12(24):149-161.

Minayo, MCS (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21ª Edição. Petrópolis: Vozes; 2002.

Minayo, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª Edição. São Paulo: Hucitec; 2010.

Albuquerque VS, Gomes AP, Rezende CHA, Xavier M, Dias OV, Lugarinho RM. A integração ensino serviço no contexto dos processos de mudança na formação superior dos profissionais de saúde. Rev Bras  Educ Méd, 2008; 32(3):356-362.

Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União 2014; Jun 23.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria Ministerial 2048/GM, de 5 de novembro de 2002. Brasília: (MS); 2002.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Portaria Ministerial 198/GM, de 13 de fevereiro de 2004. Brasília: (MS); 2004.

Davini MC. Enfoques, problemas e perspectivas na educação permanente dos recursos humanos de saúde. In: Brasil. Ministério da Saúde (MS). Política nacional de educação permanente em saúde. Brasília, MS; 2006. p. 39-63.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). A educação permanente entra na roda: pólos de educação permanente em saúde: conceitos e caminhos a percorrer. Brasília: MS; 2005.

Uma nova escola médica para um novo sistema de saúde: Saúde e Educação lançam programa para mudar o currículo de medicina. Rev. Saúde Pública 2002; 36(3):375-378.

Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (UNCISAL). Projeto Político Pedagógico do Curso de Medicina, Maceió: UNCISAL; 2008.

Nogueira, MI. Mudanças na educação médica brasileira. Rev Bras Educ Med 2009; 33(2):262-270.

Missaka H; Ribeiro VMB. A preceptoria na formação médica: o que dizem os trabalhos nos congressos brasileiros de educação médica 2007-2009. Rev Bras Educ Med  2011; 35(3):303-310.

Botti SHO, Rego S. Preceptor, supervisor, tutor e mentor: quais são seus papéis? Rev Bras Educ Med 2008; 32(3):363-373.

Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS). Tese do CONASEMS 2010/2011.  Brasília: CONASEMS; [2012].

Urgências e emergências S: socorro para 110 milhões de pessoas na rede pública. Radis 2011; (104):16-17.

Velloso ISC; Alves M; Sena RR. Atendimento móvel de urgência como política pública de saúde. Reme Rev Min Enferm 2008; 12(4):557-563.

França GV. Telemedicina uma abordagem ético-legal. João Pessoa: CRM-PB; 2010.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui